sexta-feira, junho 18, 2021

PERFUME DE "ROSA-MUNDO"


Derramo meus poemas em gesto largo

De quem semeia. Modesto destino o de nascer entre ervas

Daninhas. Porém, outras palavras-poema trazem no ventre

A gravidez do tempo – ainda que sem Memória.

Nem medida.

 

Mas assim as quero – palavras lascadas

E excessivas. E sem destino certo –

As minhas palavras ditas …

 

Persiste, porém, um poema outro.

De palavras muito nítidas. Cerzidas de seda

E linho. E servidas puras como se fossem as primeiras

Assim despidas Ou a inauguração do universo.

Ou o perfume da Rosa-Mundo.

 

Manuel Veiga

 

11 comentários:

" R y k @ r d o " disse...

Intenso, Profundo, fascinante de ler. Poeticamente perfeito.
.
Feliz fim-de-semana. Abraço
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

Maria João Brito de Sousa disse...

BELÍSSIMA BRAÇADA DE POESIA, MANUEL!

PERDOE-ME AS MAIÚSCULAS, FRUTO DA MINHA MUITO REAL QUASE CEGUEIRA.

FORTE ABRAÇO!

Tais Luso disse...

Olá, meu amigo Manuel, belíssimo poema, escrito com muita inspiração e a maestria do suas palavras - escritas e ditas.
Aplausos, Poeta!
Uma excelente semana, com muita paz.
Um beijo, Manuel, cuide-se bastante.

"Mas assim as quero – palavras lascadas
E excessivas. E sem destino certo –
As minhas palavras ditas..."

Ailime disse...

Boa tarde Manuel,
Que dizer? Um poema absolutamente fabuloso.
Parabéns, Poeta, pelo seu enorme talento poético.
Um beijinho e bom domingo.
Ailime

Graça Pires disse...

E como gosto do teu gesto largo, de quem semeia e nos brinda com poemas tão belos.
Desejo que estejas bem e que te cuides.
Uma boa semana.
Um beijo.

Agostinho disse...

Quem semeia assim, com gesto largo
há-de colher do Poema "Rosa-Mundo"
o perfume da "flor".

Sempre com o sentido preciso do som e
do ritmo da palavra.

Abraço.

Olinda Melo disse...


Tanto as palavras "lascadas e excessivas" como
as "cerzidas em seda e linho" compõem o sentir
e a Alma do Poeta. Não há como escolher umas em
detrimento de outras.

É a Poesia, aqui, num momento alto, com a excelência
a que sempre nos habituou.

A minha admiração, amigo Manuel Veiga.

Abraço
Olinda

Teresa Almeida disse...

Este "Perfume de "Rosa-Mundo" não tem medidas. É de quem conhece os meandros de uma boa sementeira poética. E, naturalmente, outros poemas nascerão.

Ainda bem, amigo Manuel Veiga.

Grande abraço.

Shirley Brunelli disse...

Não importa se o destino do seu poema, foi nascer entre ervas daninhas, pois, a Flor-de-Lotus... vive no pântano! Percebe-se muitas belezas nas entrelinhas do seu poema.Manuel, Abraços!!!

Juvenal Nunes disse...

Ao semear as palavras, são mensagens que germinam estabelecendo elos de comunicação.
Abraço poético.
Juvenal Nunes

Pedro Luso disse...

Olá, amigo Manuel, gostei muito de ler esse seu belíssimo metapoema, poema belo na forma e no conteúdo, fruto do talento do poeta.
Parabéns, Poeta!
Desejo ao meu caro amigo Manuel uma boa semana, com muita saúde e paz.
Forte abraço.

A NUDEZ DAS ESTATÚAS

O levíssimo tule que verte a nudez das estátuas Detém também uma policromia outra, que se nega E a geografia das ondas e das águas ful...