domingo, novembro 27, 2022

Imperfeições


amor é uma linha recta.

infinita no Espaço-Tempo

onde se jogam todas as formas

imperfeita…

 

ligeirissima curva, porém

pertuba a perfeição

geométrica da linha

por onde o amor

se liberta

e denuncia

e celebra

 

caleidoscópio de cores infinitas

a derremarem-se pelo espaço - sem tempo!

primeirissima

árvore

e

fruto proibido

não pecado

ainda,…

 

Manuel Veiga

26.11.22

 

11 comentários:

Janita disse...

Lindo poema!
Só desejo que esse amor, fruto proibido ainda sem pecado, nunca chegue a ser pecaminoso.
O verdadeiro amor quer-se límpido, transparente, sereno e sem sobressaltos.
Parabéns Poeta!

Forte Abraço.

Ailime disse...

Boa tarde Manuel,
Um poema sublime numa definição de amor que adorei.
Brilhante, amigo!
Um beijinho.
Ailime

lis disse...

Espelhos inclinados que não favorece,
'perturba a perfeição'
E sucedem-se, mas não celebra.
Abraço, mVeiga

Maria João Brito de Sousa disse...

Esplêndido poema, Manuel!

Um abraço!

Boop disse...

"não pecado ainda"
Que bonito!

(nunca pecado!)

Elvira Carvalho disse...

Um excelente poema que muito me agradou ler.
Abraço e saúde

Graça Pires disse...

Com a imperfeição de tudo se chega perto da perfeição inexistente, mas que procuramos, principalmente no amor. Sempre tão bem, meu Amigo Manuel.
Uma boa semana com muita saúde.
Um beijo.

Tais Luso de Carvalho disse...


Que belo poema, amigo Manuel, difícil pensar em pecado quando aflora um verdadeiro e sublime amor. O mais inteiro e belo dos sentimentos.
Uma feliz semana, meu amigo
muita paz aí nesse seu belíssimo Portugal!
Beijo

Maria Rodrigues disse...

O amor tem as suas imperfeições, uma vezes ilumina outras ensombra o coração.
Sublime poema!
Abraços

Pedro Luso de Carvalho disse...

Olá, meu amigo Manuel,
este seu belo poema, IMPERFEIÇÕES,
diz bem da impossível perfeição, a
começar pelo amor, início do poema,
mas, por outro lado, pode-se dizer
que no poema está a perfeição, capricho
do poeta.
Aplausos!
Um ótimo final de semana,
com muita paz.
Meu abraço, caro Poeta.

Parapeito disse...

Caro, Manuel, gostei tanto!
" não pecado ainda " adorei
Que nunca se canse, a procura do amor.
Abraço e brisas doces**

Tempo Breve

Desalinhada flor assaz perdida Em busca das cores que melhor a digam E em demiúrgica ousadia O poeta a soletrar a tela E a derrama...