sábado, novembro 26, 2022

PLANURAS...

 

Planuras

 

acendem se brisas

e amanhecem potros

pradarias

nuas

 

grutas. abruptas

veredas líquidas

planuras

e o tropel

as bocas

 

Manuel Veiga

Coreografia dos Sentidos

Ediçáo Modocromia

4 comentários:

Maria João Brito de Sousa disse...

Esplêndido poema, Manuel!

Forte abraço!

- R y k @ r d o - disse...

Poema BRILHANTE
.
Feliz fim de semana.
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

Elvira Carvalho disse...

Gostei muito.
Abraço, saúde e bom fim de semana

Janita disse...

Vou mandar construir-lhe
uma casinha pré-fabricada
no meio dessa pradaria nua
para que não lhe falte nada...

Abraço e bom fds.

Tempo Breve

Desalinhada flor assaz perdida Em busca das cores que melhor a digam E em demiúrgica ousadia O poeta a soletrar a tela E a derrama...