quarta-feira, dezembro 06, 2023

A CARTA QUE NUNCA TE ESCREVEREI---


 

O sorriso de Cléo, a irromper sobre as lágrimas era vosível sintoma de que a crise de choro iria passar rapidamente, o que revigorava a esperança de Manuel Maria de poderem continuar a conversa e finalmenteo que fazia ali a Cléo?”, questão que o atanazava, pois que considerava ser o Município com a presidência de José Augusto Esquerdino o lugar mais improvável para reencontrar a sua amiga, depois de ter desaparecido, anos atrás, com o “semiótico”, chamado Hilário, em que andava dependurada. Desapareceu sem aviso ou despedida, como se a terra a tragasse a ela e ao semiótico, que mais parecia um aranhiço.

E, no entanto, a Cléo estava em favor com Manuel Maria, daqueles favores que são para a vida, pois o jovem teve o mérito de transformar a rapariga que “não prestava na cama.” numa mulher “competentíssima”, aliás uma experiência que, manifestamente, dá a  Manuel Maria prazer recordar. Nos primeiros tempos estranhou a ausência e ainda andou a rondar a leitaria, onde a selecta clientela fazia poiso. Mas da Cléo e do “semiótico” Hilário... nada! Apenas soube mais tarde, através do seu amigo Quim Remédios, de mistura com uma das suas sentenças habituais sobre as intelectuais e as suas performances eróticas para a cama as mulheres querem-se burrinhas, as intelectuais não prestam”… e, como dizíamos, foi neste contexto de “erudita sapiência”, que Manuel Maria conheceu o interesse de Cléo pelo cinema, através de uma revista francesa, que o  Quim Remédios lhe apresentou, com a foto de Cléo a fazer toda a capa, circunstância. aliás, que permitiu ao Quim Remédios, mais uma “brilhante” e, sem dúvida, “cavalheiresca sentença “já imaginaste as “cambalhotas que a Cléo terá dado, para conseguir esta bela foto, como capa da revista”. Era assim o Quim Remédios. Um cavalheiro  e um bom amigo.

Mas deixemos, o Quim Remédios, pois para confusão já basta o que basta e regressemos ao caudal da escrita e ao sorriso da Cléo a irromper do turbilhão das lágrimas, o que para Manuel Maria era como um raio de sol por entre nuvens, a prever um dia claro. Pouco a pouco Manuel Maria. com palavras doces e gestos afáveis foi acalmando a rapariga que foi libertando-se das lágrimas e soluços. E para conforto de Cléo cavalheiresca sentença “já imaginaste as “cambalhotas que a Cléo terá dado, para conseguir esta bela foto, como capa da revista”. Era assim o Quim Remédios. Um cavalheiro  e um bom amigo.

Mas deixemos, o Quim Remédios, pois para confusão já basta o que basta e regressemos ao caudal da escrita e ao sorriso da Cléo a irromper do turbilhão das lágrimas, o que para Manuel Maria era um raio de sol por entre nuvens, a anunciar um dia claro. Pouco a pouco Manuel Maria. com palavras doces e gestos afáveis foi acalmando a rapariga que foi libertando-se das lágrimas e soluços. E para conforto de Cléo e a compensar do desgosto de que, sem o desejar, fora o causador convidou a Cléo para almoçar num restaurantezi e a compensar do desgosto de que, sem o desejar, fora o causador convidou a Cléo para almoçar num restaurantezinho que abriu recentemente e apenas conhecido por meia dúzia de pessoas… o único inconveniente é ter que  marcar previamente… o que se propunha fazer

Manuel Maria cobria a jovem de atenções. Durante o percurso para o restaurante, passou o braço sobre os ombros da Cléo que se aconchegou no corpo de rapaz, saboreando ambos, em silêncio, a quentura dos corpos e o prazer que a proximidade lhes dava. Assim prosseguiam, num silêncio prenhe de cumplicidade até ao  restaurante.

Manuel Maria evitava o tema que tanto desejava, esperando o momento favorável, mas a Cléo numa tagarelice encantadora, sobre generalidades não se abria e a resposta à pergunta “que fazia ali a Cléo?” balançava” entre nada e coisa nenhuma. Percebeu Manuel Maria que tinha, então, que ser ele a “espevitar” a Cléo e orientar a conversa na direção que mais lhe convinha e, fazendo um largo rodeio Manuel Maria, deixou cair sobre a mesa tens notícias do teu amigo Hilário, que nunca percebi a vossa ligação...! o Hilário era muito mais velho que tu…” e a Cléo, com doçura sorridente “porquê? o me digas que ainda tens ciúmes…Francamente!...” E Manuel Maria atalhando de imediato o discurso de Cléo “não se trata de ciúmes que devo confessar sentia um pouco  diz Manuel Maria num sorriso aberto e acrescenta com ironia, “como ambos sabemos minhas qualidades como namorado eram infinitamente superiores ao Hilário. (Manuel Maria teve é sensação de que a rapariga corou ligeiramente) Mas o teu Hilário, alem de parecer um aranhiço, sabia tudo, conhecia tudo, falava de tudo e esmagava o parceiro com a sua sapiência e cereja no bolo, anunciava, profético, a morte de Marx e do marxismo

A Cléo ouvia Manuel Maria com um leve sorriso a espreitar os lábios, sem contudo o interromper, mas divertida .com o ataque ao semiótico Hilário respondeu, divertida “e tomas tu o meu corpo, confortas as lágrimas e trazes-me a almoçar a um restaurantezinho catita para quê? Para falar do Hilário? O Hilário foi um acidente na minha vida em tanto quanto sei, está impante de vaidade nos serviços culturais da Embaixada e dá umas aulas na Sorbonne…Mas que importa, meu querido, o teu “semiótico” não vale. um tostão furado, acredita. Manuel Maria, após estas palavras, percebeu que em breve o "mistério" do que fazia ali a Cléo seria desvendado e apertando o circulo das perguntas  “ e tu que fazias em Paris.? Do teu interesse pelo cinema, tive notícia dos Cahiers du Cinema que falava teu talento como atriz e vinha ilustrada com uma foto tua ocupando toda a capa…

A jovem gostou que Manuel Maria soubesse do seu trabalho no cinema e ficou visivelmente envaidecida pelas referências elogiosas da prestigiada revista, declaroueu tenho dupla nacionalidade, nasci em França, de pais portugueses, emigrantes, está claro, mas que tiveram algum sucesso, o que me permitiu estudar  cinema e é essa a minha paixão e a minha vida, tenho amigos em França que apreciam o meu trabalho e, como imaginas, a Revolução de 25 de Abril teve um impacto muito grande em França, sobretudo, dos meios universitários e culturais e a jovem continua, abrindo agora com gosto um sorriso luminoso, por aqui estou para viver esta esta empolgante gesta coletiva que daria um excelente filme, propósito que me seduz cada vez mais

Manuel Maria cada vez mais entusiasmado com as palavras claras e esclarecedoras da sua amiga, avançou sôfrego para o final, ou seja, para um núcleo central da sua angustiante dúvida e, de rajada, sem esperar resposta  “E o José Augusto Esquerdino? Como chegaste até ele? Sei que o conheceste em Paris, não é verdade? Ele conhece o teu interesse pelo cinema? Vais fazer dele um herói de fita que te propões realizar sobre e sobre o 25 de abril. A rapariga solta então uma gargalhada e simulando uma reprimenda Que  coisa, Manuel Maria! As voltas que tu dás para chegares àquilo que verdadeiramente te trouxe novamente até mim. . Ou julgas que sou parva? E em tom um tanto  ríspido “vá diz o que queres saber em concreto da minha relação com José Augusto que, ao que parece, se dispõe a partilhar-me contigo? E Manuel Maria com uma voz insinuantetudo, quero conhecer tudo!...” “Tudo é muita coisa , retorquiu a rapariga, mas direi o essencial!... Quero eu dizer aquilo que podes conhecer e que eu possa dizer…”mas ficará para outro dia, combinei dar um jeito na Gabinete de Presidente da Câmara, que está um caos!

“E tem que ser hoje Cléo, és cruel a mostrar-me  o paraíso para logo fechares”- disse contrariado Manuel Maria”. E a rapariga sorrindo descontraída, com uma expressão  em voga “Olha que não, olha que não”, aquitecto Manuel Maria!... e para teu governo sempre adianto que os laços que me prendem a José Augusto mais que sentimentais são… laços políticos...

 

Manuel Veiga

, ,


4 comentários:

Olinda Melo disse...

Com a Cléo de novo em cena ouvimos falar de novo
do "semiótico" Hilário e de Quim Remédios. Este último,
por sinal, goza de toda a minha antipatia :)

Penso que o facto de a rapariga ter dito que ao
José Augusto apenas a unem "laços políticos", terá
aquietado Manuel Maria, esperando eu que ele
próprio não vá na conversa do Presidente da Câmara,
sobre "partilharem" a Cléo.

Sei que se vivem momentos confusos nessa altura e
que a liberdade de pensamento ainda baralhe um
pouco as mentes.

Gostei de saber um pouco mais sobre a Cléo e das
suas raízes.

Um abraço, Manuel Veiga.
Olinda

M.Josefa disse...

Paso a saludarte y te dejo un abrazo,

lis disse...

Passando para deixar um abraço de Natal.
e celebrando deixo tanscrito um versículo biblíco que
muito me agrada, do livro de Provérbios:
"Sobre tudo o que se deve guardar,
guarda o teu coração, porque dele procedem
as fontes da vida."
Bom Natal e um Bom Novo Ano,mVeiga

" R y k @ r d o " disse...

Passando, vendo, lendo, elogiando, e deixando:
.
Votos de um NATAL muito FELIZ, repleto de luz, alegria, saúde, amor, prosperidade, paz, extensivo à sua ilustre família.
.
Poema: “ Natal de amor e saudade “
.

Tempo Breve

Desalinhada flor assaz perdida Em busca das cores que melhor a digam E em demiúrgica ousadia O poeta a soletrar a tela E a derrama...