quarta-feira, março 07, 2018

DIA INTERNACIONAL DA MULHER - Ano 2074



- “Celebramos?”

- “Teus olhos abrasam
Teu corpo incendeia-me…”

- “Sim, sei…”
Mas celebramos? O Dia da Mulher,
Celebramos?”

- “Se tu (me) queres
Ofereço-te uma flor
E meu amor…”


Manuel Veiga - Lisboa  2074


14 comentários:

Larissa Santos disse...

Que bonito! :))

Hoje: - São rosas...Olhares de terna candura
.
Bjos
Votos de uma boa Quarta-Feira

Pedro Luso disse...

Aí está um belo poema em homenagem ao Dia Internacional da Mulher. Gostei do tom romântico do poema amigo Manuel. Também noite que o ano é 2074 (quem poderá tirar o liberdade do poeta?).
Um grande abraço.
Pedro

Ailime disse...

Muito lindo e terno.
Um beijinho.
Ailime

Tais Luso disse...

Manuel, deixo uma nota ao teu belo, criativo e sensível poema!

Gosto imensamente dessa música de Chico, 'Mulheres de Atenas', é linda, é triste, e sua voz toma o timbre da tristeza, da luta e do sofrimento da mulher.
Ainda há muita estrada para as mulheres trilharem em busca de seus sonhos e de suas realizações. Num olhar atento para todos os cantos, haveremos de ver não muita coisa para comemorarmos. Enquanto umas comemoram seus feitos na política, na literatura, nas artes, nas pesquisas, na medicina etc, outras são subjugadas, humilhadas, quase sem identidade. E as mulheres não são uma minoria o qual pudéssemos dizer que as minorias sofrem. Mas um dia a coisa muda. Espero. E, essas mulheres não mais precisarão matar um leão por dia para provarem do que são capazes.

Beijo, amigo, uma boa semana pra você.

Olinda Melo disse...


Olá, Manuel Veiga



2074.

Esse ano, ainda um pouco longínquo, remete-me para o de 1974.
De lá para cá muita água tem corrido debaixo da ponte e,
não há dúvida, tem havido evoluções positivas quanto à
situação da Mulher. Muito caminho há ainda para desbravar,
especialmente, ao nível das mentalidades.

Esse seu ano de 2074 sugere-me muita ternura e diálogo.

Abraço

Olinda

Graça Pires disse...

Lindo, Manuel! Bem a meu gosto. Obrigada pela homenagem.
Um beijo meu

Marta Vinhais disse...

Hoje e sempre.... Lindo...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Jaime Portela disse...

Um excelente poema, uma bela homenagem à Mulher.
Continuação de boa semana, caro Veiga.
Abraço.

Teresa Almeida disse...



Passados 100 anos da revolução dos cravos, celebras a mulher e o amor.

Bela e harmoniosa herança, meu amigo!


Beijo.

José Carlos Sant Anna disse...

E sempre será assim. Tão verdadeiro como se estivéssemos no paraíso!
Não importa em que ano este estejamos...

Um abraço,

José Carlos Sant Anna disse...

Leia-se "Não importa em que ano estejamos"

Suzete Brainer disse...

Um belo e original poema, em cada palavra
uma simbologia, esta avassaladora no significado
do amor e a Mulher como representativa desta
fonte sublime.

Encantador este teu poema, Caro Amigo Manuel.

O Poeta a surpreender sempre na arte da Poesia...

Beijo.

Graça Sampaio disse...

O Amor muito para além de 2074! Sempre.
Muito «prafrentex»!!!

Odete Ferreira disse...

Atentei no título (2074) e no poema-diálogo (conteúdo e forma).
Fiz esta relação: revolução-liberdade-igualdade.
Passado um século, a data continuará a existir mas a celebração será apenas pelo amor, em reciprocidade... Acredito, também, que já não se andará a discutir a igualdade de género!
Belo, nesta sedução de palavras-olhos.
Bjo, Manuel