sábado, outubro 05, 2019

POEMETO...


Tombam a teus pés
A lucidez fria do instante
E a acidez da hora…
………………………       
Em cada palavra tua
Que te nega…

M.V. 


6 comentários:

Larissa Santos disse...

Excelente:))

Hoje:- Sinto que nas nuvens estão ausentes |Poetizando e Encantando|

Bjos
Votos dum óptimo Domingo.

Olinda Melo disse...


Palavras ácidas que podem marcar momentos
de forma indelével. Felizmente, haverá
sempre réstias de lucidez para equilibrar
emoções.

Poemeto que nos faz desejar mais, Poeta. :)

Abraço, amigo Manuel Veiga.

Abraço

Olinda

Graça Pires disse...

As palavras deste poema são frágeis e magoadas, mas tão belas!
Uma boa semana, meu Amigo.
Um beijo.

Teresa Almeida disse...


É tao outonal a palavra que vibra, treme e tomba na ânsia de voar.

Abraço, poeta e meu amigo Manuel.

José Carlos Sant Anna disse...

Por mais que a lucidez se aguce, o avesso deste mundo em que vivemos nos faz pedir contas a todo instante. Lucidez maior é a sua, antena a capta tais momentos da condição humana!
Forte abraço, meu caro poeta!

José Carlos Sant Anna disse...

Leia-se captar na penúltima linha do meu comentário.

UM BREVE ESBOÇO...

  Na gaveta das minhas horas peregrinas Busco algum fervor cálido. E íntimo. E um pouco de alquimia Ainda… E deparo com um breve...