sexta-feira, junho 26, 2020

UMA LEGENDA APENAS


Na galeria dos retratos, uma legenda apenas:
“Trespassam-se todas as memórias – por atacado …”
E o eco delas. E as portas trancadas.
E as paredes nuas…

Cá dentro, apenas os restos de uma fogueira
Que ainda arde!... Onde se imola
O cântico. E se renova
Por vezes aziago
Outras louvado...

……………………………………………………………
Patético “o Anjo da História”
Afadiga-se, lá fora, buscando
Parar o vento que tudo
Varre...


Manuel Veiga



12 comentários:

" R y k @ r d o " disse...

Poeticamente maravilhoso de ler.
.
Um dia feliz
Cumprimentos poéticos

Cidália Ferreira disse...

Poema fantástico!! :)
~~
Sinto em mim uma força interior

Beijo e uma excelente Sexta Feira

Tais Luso de Carvalho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cidália Ferreira disse...

Fantástico poema!!
~~
Sinto em mim uma força interior

Beijo e uma excelente Sexta Feira

Sónia M. disse...

Este chega aos ossos...

Bom fim de semana.
Abraço

Tais Luso de Carvalho disse...

Nossa!! Tudo tão igual em todos os lugares, independente de status, de cor, de condição social... tudo finda e tudo se iguala, e apenas uma legenda fica... E o nosso mundo, que anda agonizando, dá uma trancada no coração, um nó na garganta trancando uma emoção que teima em aparecer.
Esse me pegou de mau jeito, meu amigo!
Lindo e sentido poema.
Beijo, avante!

(Desculpe o errinho).rs

São disse...

Perfeito para os dias actuais e que dá também voz à amargura que me provocam estes vândalos ignorantes.

Abraço, meu amigo, bom final de Junho.

Teresa Almeida disse...

Bastará uma legenda para liquidar as memórias?
Acredito que o poeta continuará a cantar o seu fado. Cântico que arderá de paixão ou de dor. Cantará, mesmo de asas rasgadas.

Digo ainda que esta brisa poética me encantou.

Beijos, meu amigo Manuel.

Olinda Melo disse...


Eco de tempos passados que se arrasta até ao presente. Memórias indeléveis que nos trazem a visão de actos que nos envergonham. O importante é não fazer tábua rasa, mas antes aprender...

Fazer-nos recordar, conscienciosamente, factos e actos humanos de modo a construirmos um mundo melhor, é a missão da História.

E o Poeta, atento, faz a sua parte. Num Poema emocionante dá-nos conta de quão importante é o não esquecimento.

Obrigada, caro Manuel Veiga.

Abraço

Olinda



Maria Rodrigues disse...

Um poema sublime.
Que apenas as más memórias sejam trespassadas.
Um grande abraço

Fanny Costa disse...

Gostei de ler, muito bom.
A música é maravilhosa. Adoro música francesa.

Beijinhos e boa semana

José Carlos Sant Anna disse...

Ainda há tempo de aprendermos com a história, não sei se haverá tempo para que os homens se transformem e mudem a história.
Para nos deixar engasgados, Manuel, este poema!
Mas você sabe como nos tirar da nossa zona de conforto!

Abraços, caro amigo!

UM BREVE ESBOÇO...

  Na gaveta das minhas horas peregrinas Busco algum fervor cálido. E íntimo. E um pouco de alquimia Ainda… E deparo com um breve...