quinta-feira, outubro 05, 2017

NA INOCÊNCIA DO CANTO...


Na esquiva gruta de resguardo
Das coisas simples.

E no pequeno nome das ervas
E no trevo dos caminhos
E na inocência do canto
De todas as partilhas.

E no bordão dos peregrinos
E no livro das Horas nacarado.
E na espada. E no selo das promessas.
E em todas as juras.

E nos maculados pés
E no alvoroço dos portais.

E na fome dos dias por abrir

Toda a fecunda dor
De todas as colheitas. E o sândalo
De todos os cansaços.

(poema reeditado)


Manuel Veiga



Sem comentários: