domingo, dezembro 15, 2019

"HUMANO, DEMASIADO HUMANO..."


Não colhe o poeta palavras gastas
Na gramática dos dias
Nem da altiva rosa,
Desatadas pétalas…

Nem da rubra flor, colhe o poeta
De empréstimo,
Seu perfume…

Nem invoca os deuses
Em contra-mão
Dos seus desígnios…

E, no entanto, a palavra líquida
E o desatino de seus passos…
……………………………………

“Humano, demasiado humano…”


Manuel Veiga

7 comentários:

Larissa Santos disse...

Que maravilha de poema:))

Hoje : Deslumbras-te na essência da minha tez

Bjos
Votos de um óptimo Domingo




Elvira Carvalho disse...

Muito bom, poeta.
Abraço e uma boa semana

Graça Pires disse...

Não estão gastas as tuas palavras porque as recolhes do teu lado mais humano… Tão belo!
Desejo que tenhas um Natal cheio de conforto e que 2020 te traga o que mais desejas.
Um beijo.

Teresa Almeida disse...

Em seu desatino o poeta "origina-se a si mesmo". E sua criação tem um perfume invulgar. "Humano, demasiado humano".

Excelente poema, meu amigo Manuel Veiga.

Beijos.

Olinda Melo disse...


Humano, Humaníssimo, considera-se o Poeta.
Nessa condição terá entre os dedos a flor
rubra e, na sua transfiguração, a expressão
do poder divino das Palavras.
E assim, os seus passos encaminham-no para
a realização completa.

Abraço, Manuel Veiga.

Olinda

Agostinho disse...

Caro MV, um degrau acima o Freire evoca a razão e a origem da poesia. Quando o Poeta canta o seu sentir entroncado na sabedoria, na dignidade, na autenticidade do povo, o milagre das palavras faz-se sem cotoveladas e o reconhecimento público acontece.
ABRAÇO DE PARABÉNS.

Ana Freire disse...

E os poetas... serão mesmo quem melhor estará capacitado, para nos dar a conhecer a alma humana... do melhor ao pior... tudo passa pela poesia... e também a falta da mesma... também tantas vezes, tão bem se explica e compreende, através da poesia...
Um poema fabuloso, tão abrangente quanto enigmático... no fundo... como será toda a alma humana... quando sente... é humana... demasiado humana... com todas as virtudes... e o seu oposto!...
Mais um momento poético, de profundidade e excelência, Manuel, que foi um prazer descobrir e apreciar!...
Nos próximos dias, virei apreciar mais uma série de publicações, que por aqui, se me foram escapando...
Beijinho! Bom ano e uma feliz semana!
Ana

PERFUME DE "ROSA-MUNDO"

Derramo meus poemas em gesto largo De quem semeia. Modesto destino o de nascer entre ervas Daninhas. Porém, outras palavras-poema traz...