quinta-feira, novembro 18, 2021

COREOGRAFIA DOS SENTIDOS - Texto de OLINDA MELO

 


O poema

É esta inscrição

De lume no dorso

Do porvir…

                 (De Breve Centelha)

Quem lê Manuel Veiga é conduzido numa viagem de emoções, na qual o Poeta se entrega por inteiro e convida-nos, a nós, seus leitores, para fazermos parte das linhas que ele desenha.

Na sua escrita, dilui-se na euforia da Palavra e dos sentidos e declara-se Poema, em que soletra a Gramática do Mundo num abecedário que se reinventa a cada verso, e em que caminhos apaixonantes se adivinham, por vezes, em gestos delicados e eloquentes silêncios.

E o fogo arde. Inscrições de lume ressaltam e porfiam numa coleante espera, na glorificação dos corpos, cântico de cor e vida, pequena lágrima que tomba, na inquietação das horas, do tempo e da circunstância.

O tempo é esta circunstância, diz o Poeta. E, tal como refere Ortega y Gasset “eu sou eu e a minha circunstância”, ele posiciona-se atento aos condicionalismos do seu tempo donde extrai o mel e o fel. “A hora é esta//Assim escassa//A morder a orla//Do sonho”. Uma respiração em que se traduz e se envolve. Um desassossego pelo presente e pelo devir.

E o lugar da memória é preservado, rosto em transfiguração pela patine do tempo, um itinerário de cinzas, onde o húmus continua intacto, crepitando-se o fogo numa largueza amorável que emociona.

Em registo impressivo, de tirar o fôlego, assistimos à inventariação poética de cada esquina da vida, num Poema sem rima em que se perde e se encontra numa promessa, numa viola, numa canção que se afina, numa passagem clandestina, numa senha, numa luta anunciada

Em muitos Poemas as palavras confessam-se excessivas e intrometidas. Contudo, existem palavras-outras que se guardam lacradas e que são sacrário e, talvez, espreitem pudicas numa emanação de afectos em que se derramam e mostram a alma nua do Poeta.

Em celebração do pão dos pobres, dos proscritos, da dor dos vencidos, numa toada magnânima de bem-aventurança, ousadia minha, “bem-aventurados os pobres de espírito porque deles é o reino dos céus”, ouvimos o som telúrico da terra-mãe, ubérrima, que traça o carácter dos homens e das mulheres, comungando desse sentimento de pertença e distribuindo o néctar em que se traduz a vida.

E a tua bênção Pai! Evocando os caminhos e a voz do sangue, o ciclo da vida se completa: Rito de passagem//Em que me digo filho e pai//E me acrescento//E sou o mesmo.

Numa coreografia em que todos os sentidos se apresentam e elegem a sua morada, o talento de Manuel Veiga surge-nos límpido, ousado e único.

Que não neguem os lábios

O que o coração deseja.

Nem as margens o frémito

Das torrentes…

(in: Corações Ledos)

Olinda Melo

9 comentários:

Emília Pinto disse...

E eu, querida Olinda, já me considero " parte das linhas que o nosso Amigo Manuel Veiga vai desenhando por aqui " , embora a assiduidade não seja a que ele merece. Não podia deixar de vir aqui, desta vez para dar os parabéns aos dois, ao Manuel pelo novo livro que será, de certeza um sucesso e a ti, querida Amiga, pelo belo texto que aqui deixaste em homenagem ao poeta que escreve com o coração, tratando sempre temas pertinentes quer seja em poesia quer seja em prosa. Daqui, saimos sempre mais enriquecidos. Parabéns, Manuel! Obrigada, Olinda, pela homenagem a que me associo. Um beijinho aos dois queridos Amigos
Emilia 👏 🙏
















" R y k @ r d o " disse...

Gosto de ler o que escreve Manuel Veiga. Belo texto de homenagem
.
Cordiais saudações … feliz fim-de-semana
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

Janita disse...

Eatão ambos de Parabéns.
Excelente o texto que a Olinda tão bem escreve, esplanando numa alegoria belíssima, essa "Coreografia dos Sentidos".

Um abraço ao Autor e um beijinho à gentil colaboradora.

Tais Luso de Carvalho disse...

Aplaudo os dois!
À iniciativa da querida amiga Olinda numa bela homenagem ao nosso amigo poeta Manuel Veiga que há muito nos brinda com suas belas poesias!
Beijo queridos amigos,
Um bom restinho de domingo e uma ótima semana!
Muito sucesso ao novo filho, "Coreografia dos Sentidos"!

Graça Pires disse...

Depois de ler o texto da Olinda ainda fiquei com mais vontade de ler o teu livro, meu Amigo.
A Olinda tem a fina sensibilidade de entender as palavras dos poetas, coisa rara em muitas pessoas.
Continua a cuidar-te.
Um beijo.

Ailime disse...

Bom dia Manuel,
Os meus Parabéns pelo seu novo livro. Desejo-lhe o maior sucesso.
Elogio o belo texto de Olinda que tão bem sabe ler a alma do Poeta, assim como expressar de forma brilhante o seu elevado sentir que tão bem explícita nos seus sublimes poemas.
Beijinhos aos dois.
Ailime

Olinda Melo disse...


Os meus agradecimentos ao Poeta Manuel Veiga pela
publicação deste meu texto e aos amigos pelas
belas palavras de apreço, aqui inscritas.

Abraços
Olinda

Unknown disse...

I really like the blog and I hope people will have a new blog, thanks for the blog
Baccarat Online

São disse...

Aplausos para ambos .

Como posso obter o teu livro, meu amigo? Se me deres o gosto de o autografares, ficarei grata.

Abraço e que tenhas todo o sucesso !

ABSOLUTA PALAVRA

  A Hora é esta. Assim Escassa. A morder a orla Do sonho   Sacral e mítica…   A anunciar-se Líquida. Sede e água A trans...