segunda-feira, dezembro 27, 2021

INTERMINÁVEL JOGO

 

Em seu desenfado

Inventaram os deuses um singular jogo:

Colocam as pedras no tabuleiro

E largam, então, as vítimas.

 

E fazem rolar em fragor as órbitras

E o jogo de forças.

 

Os néscios exultam – a contar seus ganhos

E os sábios sorriem. Pois que, perdendo,

Muitas vezes ganham

Certos de seus rasgos

E de seus logros.

 

Bem sabendo das estultas regras

E do interminável jogo!...

 

 

Manuel Veiga

 

4 comentários:

" R y k @ r d o " disse...

Poema lindíssimo

.
Continuação de boas festas.
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

maceta disse...

Manuel Veiga

obrigado pela sua visita.

Sempre profundamente enigmático nas sua palavras...admiro a sua poesia "poética"...


Boas Festas ou o que resta delas e um ano 2022 muito mais agradável...

abraço

Teresa Almeida disse...

Mais um excelente poema!

Que continues a deliciar-nos com as tuas publicações em 2022!

Que seja um ano feliz!

Forte abraço.

Olinda Melo disse...


Diz bem, Manuel Veiga, jogo interminável...
Para prazer de quem manda e gere os nossos
destinos.

Um Poema que diz muito dos nossos dias.

Um grande abraço, caro Poeta.
Olinda

ABSOLUTA PALAVRA

  A Hora é esta. Assim Escassa. A morder a orla Do sonho   Sacral e mítica…   A anunciar-se Líquida. Sede e água A trans...