segunda-feira, dezembro 27, 2021

INTERMINÁVEL JOGO

 

Em seu desenfado

Inventaram os deuses um singular jogo:

Colocam as pedras no tabuleiro

E largam, então, as vítimas.

 

E fazem rolar em fragor as órbitras

E o jogo de forças.

 

Os néscios exultam – a contar seus ganhos

E os sábios sorriem. Pois que, perdendo,

Muitas vezes ganham

Certos de seus rasgos

E de seus logros.

 

Bem sabendo das estultas regras

E do interminável jogo!...

 

 

Manuel Veiga

 

4 comentários:

" R y k @ r d o " disse...

Poema lindíssimo

.
Continuação de boas festas.
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

maceta disse...

Manuel Veiga

obrigado pela sua visita.

Sempre profundamente enigmático nas sua palavras...admiro a sua poesia "poética"...


Boas Festas ou o que resta delas e um ano 2022 muito mais agradável...

abraço

Teresa Almeida disse...

Mais um excelente poema!

Que continues a deliciar-nos com as tuas publicações em 2022!

Que seja um ano feliz!

Forte abraço.

Olinda Melo disse...


Diz bem, Manuel Veiga, jogo interminável...
Para prazer de quem manda e gere os nossos
destinos.

Um Poema que diz muito dos nossos dias.

Um grande abraço, caro Poeta.
Olinda

COMO SE FORAS INVENÇÃO MINHA

As palavras, meu amor São apenas insónia Um rumor mudo E a flor selvagem Com que enfeito Teus cabelos   Para além delas E da...