quinta-feira, junho 30, 2022

AS PORTAS DO SILÊNCIO

 

Bato com fragor às portas do silêncio

Como se um incêndio roesse as entranhas

Das palavras tresmalhadas do poeta

E o ruido do mundo

Uma estranha orquestra de gestos mudos

E arcanos lugares, que veneramos

Altares que se elevam à tua devota passagem

E ao milagre das flores garridas

Que se abrem viçosas. Selvagem o tempo nu

Cinzelado em teu amor na espera

E o grito inesperado da entrega

A acordar o Universo…

 

Manuel Veiga

30.06.22

11 comentários:

- R y k @ r d o - disse...

Existem silêncios que são ensurdecedores. Outros, puras e doces pérolas ... como é este poema.
.
Cumprimentos cordiais
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

Rogério G.V. Pereira disse...

É um gosto ler-te
Foi um prazer rever-te

(nem sempre comento, mas passo sempre)

Pedro Luso de Carvalho disse...

Olá, amigo Manuel, é sempre muito bom para o espírito
vir a esse seu simpático espaço para ler seus belos poemas,
como esse que acabei de ler.
Um belíssimo poema, meus aplausos!
Um bom final de semana, amigo,
com muita paz.
Grande abraço.

Tais Luso de Carvalho disse...

Gosto muito da força de sua poesia, meu amigo Manuel!
Aplaudo daqui, do sul do Brasil!
Um feliz fim de semana pra você e sua família.
Saúde e paz!
bjs.

São disse...

Mais um belo poema, este teu!

Abraço de poético Julho, meu amigo

Olinda Melo disse...

Bom dia, Manuel Veiga

Sempre com esse talento que nos emociona
através de palavras escolhidas e que no
desenvolvimento deste poema fazem todo o
sentido.

O Universo estará atento a gestos eloquentes
como os que se lêem aqui neste blog.

Bom domingo.
Abraço
Olinda

Teresa Almeida disse...

Caro Manuel,

Vim a correr para te deixar uma palavras de amizade e apreço, mas voltei a abrir a janela. Precisei de ouvir a beleza e a eloquência do silêncio.

Beijos e bom verão!

Jaime Portela disse...

Ainda há gritos, felizmente...
De contrário, o silêncio e os gestos mudos continuariam por muito tempo.
Excelente poema, como sempre.
Boa semana, caro amigo Veiga.
Um forte abraço.

Graça Pires disse...

Bater à porta do silêncio e acordar o Universo... Tão belo!
Uma boa semana com muita saúde.
Um beijo.

Ailime disse...

Boa tarde Manuel,
Um poema genial, Amigo Poeta!
As portas do silêncio às quais tantas vezes batemos sem que nos ouçam, até que um "grito inesperado" de amor acorda o Universo!
Inspiração sublime!
Beijinhos e uma excelente semana.
Ailime

Maria Rodrigues disse...

Na imensidão do silêncio só o amor consegue acordar o universo.
Belíssimo poema.
Beijinhos

ADÁGIO

Desnudam-se as pétalas Uma a uma. E derrama-se a cor Nua. Indefinição ainda Que alastra   Agora sinfónica. Cor e vida. E se ab...