sexta-feira, setembro 22, 2017

ÁGUAS VIVAS...


Ardem os dedos. E os olhos
Descem as pálpebras num mergulho
De íntimas cascatas.

Sou este rio e este eco. Sons difusos
Que as margens recolhem em cantochão
De águas vivas.

E sou a superfície do lago
Fio-de-prumo entre a montanha
E o sol fagueiro.

Manuel Veiga

"Caligrafia Íntima” - POÉTICA Edições
Lisboa 2017



quinta-feira, setembro 21, 2017

EXCESSO DE MARESIA


Crepúsculo em álgicas quedas de água
Que estas margens têm excesso
De maresia. Entre a dor
E a mágoa…

Ponto em que a noite se esvai em brisa
E cobre o espaço. E funde o negro abraço
No manto enluarado
Do silêncio...

São estes crepúsculos audíveis
Como adeus aos lugares
Onde desejamos estar…

São arco-íris escondido pela bruma
Talvez um sopro. Vibração que se esfuma
Como leve aceno lançado
Ao mar…

Ou talvez a penumbra que reluz
Como nova urgência que se empunha
Ou grito de renúncia
Quebrando o ar...


Manuel Veiga